O Projeto ‘Smart SITy’s Trip: a Journey through Innovation in Europe’, organizado pelos alunos da Sorbonne, está integrado no programa letivo do mestrado e dedica-se ao estudo dos principais desafios na inovação e modernização das cidades europeias. Para cobrir diferentes realidades, este projeto foi dividido em duas partes: a primeira, com uma visita a duas cidades do norte da Europa – Copenhaga (Dinamarca) e Malmo (Suécia) –, e a segunda ao sul da Europa - Lisboa, Cascais e Porto (Portugal).

“Os processos de inovação urbana estão condenados a falhar se a tecnologia não for utilizada para responder a necessidades específicas do cidadão.” O aviso é feito por Baptiste Dugué, um dos 21 estudantes do mestrado de Innovation & Management Technologies da Universidade de Sorbonne (Paris 1) que, a convite da Gfi, visitou Portugal, entre os dias 8 e 12 de maio, para uma experiência de imersão sobre as Smart Cities.

Em Portugal, os 21 estudantes analisaram casos de sucesso ao nível da inovação e empreendedorismo nas Smart Cities, nomeadamente:

  • BETA-I, Pedro Rocha Vieira (Co-founder & CEO)
  • Projeto Sharing Cities da Câmara Municipal de Lisboa, Nuno Xavier (Project Manager)
  • NOVA Information Management School, Miguel Castro Neto (Professor)
  • Transformação Digital e Inovação da Câmara Municipal de Cascais, Miguel Luz (Vice-Presidente)
  • Smart City Innovation Lab da CATÓLICA-LISBON School of Business & Economics, Rene Bohnsack (Head of Smart City Innovation Lab)
  • INTA 40 - Urban Development do Instituto Superior Técnico, Dr. Fernando Nunes Silva (Full Professor)
  • VFABLAB-IUL do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Vasco Moreira Rato (Director of Sustainability and Deputy Director School of Technology and Architecture)
  • CEiiA - Centre of Engineering and Product Development, Vladimiro Feliz (Head of Smart Cities & CIO)
  • Exemplo da Câmara Municipal do Porto – Porto Digital, Paulo Calçada (CEO and Executive Director)
  • Portuguese Electric Vehicle Association (APVE), Robert Stussi (Vice-Presidente)

Para Baptiste Dugué, que ambiciona tornar-se líder de projetos inovadores e apoiar as empresas na transformação digital, “falar de Smart Cities não é falar sobre tecnologia, mas sobre pessoas. A tecnologia deve estar ao serviço do que os cidadãos querem e precisam”.

E acrescenta: “só depois de compreendermos o que os cidadãos realmente precisam, é que poderemos responder às suas necessidades com determinada tecnologia ou inovação. Se o processo não for feito assim, irá certamente falhar”, defende.

A semana incluiu também um workshop de Inovação, liderado por Jean-François Gaudy (Chief Innovation Officer do Grupo Gfi) no Centro de Serviços da Gfi em Lisboa.

Jean François Gaudy, Chief Innovation Officer da Gfi Informatique:

“Esta experiência ajudou-nos a compreender melhor as diferenças entre algumas cidades europeias e realçou a importância de uma abordagem conjunta entre o mundo académico, as autarquias locais e as empresas de tecnologia.

Para nós, Gfi, esta foi uma experiência muito enriquecedora. Demonstrou que a Gfi tem a capacidade de unir diversos stakeholders e que Portugal é, sem dúvida, um dos países mais virados para a inovação e o empreendedorismo. Por outro lado, reunir vários jovens, com diferentes backgrounds, foi uma verdadeira inspiração.”

Compreender os processos de inovação nas capitais do Norte e Sul da Europa

Ao aliar-se a este projeto da Universidade Sorbonne, a Gfi reforça o posicionamento de Portugal como centro europeu para a inovação e o empreendedorismo, de acordo com a estratégia de expansão da empresa em Portugal.

Ao mesmo tempo, a empresa francesa quer garantir a correta conexão entre as entidades de ensino e o mercado de trabalho, promovendo iniciativas que conciliem o conhecimento do mundo académico, das empresas e da sociedade civil.

A escolha destas cidades justifica-se pelo interesse de conhecer as diferenças nas estruturas e processos em capitais europeias do Norte e do Sul, de modo a percecionar as transformações do ponto de vista tecnológico, mas também cultural, social e humano.

Os resultados desta investigação vão ser publicados num guia ilustrado, dedicado à inovação urbana na Europa. A edição abordará as mudanças que têm vindo a ocorrer desde há 10 anos nas redes de cidades inteligentes. Em foco estarão as boas práticas, os casos de sucesso, os projetos e avanços em curso, assim como as limitações existentes. Este guia estará disponível em formatos digital e em papel.

Palavras-ChaveSmart citiesInovaçãoSorbonneSmart SITy's

Artigos relacionados

Partilhar