A Indústria 4.0 é uma oportunidade fazer evoluir a nossa indústria, tornando-a mais competitiva e flexível. Esta realidade permitirá preservar e desenvolver novas oportunidades no setor industrial.

Indústria 4.0: O que é?

O programa ‘Indústria 4.0’ tem como principal objetivo acelerar a modernização do setor industrial e a transformação do seu modelo económico através das soluções digitais.

As tecnologias digitais estão, de facto, na raiz desta transformação na indústria, através de Cloud Computing, seja para armazenamento de dados ou trabalho remoto, de software SaaS e de Big Data Analytics que permite melhorar a produção, por exemplo, através de melhor manutenção preventiva.

Além da produção em si, a Indústria 4.0 constitui uma mudança de paradigma na concepção e comercialização dos produtos, bem como nos modelos organizacionais e de gestão de competências. Baseia-se numa estratégia global que mobiliza funções operacionais e de suporte, em todos os níveis da empresa.

O atual desafio prende-se com a passagem progressiva de um modelo industrial tradicional para um modelo do futuro. Esta mudança implica priorizar as necessidades de modernização dos sistemas de produção de acordo com critérios estratégicos de competitividade de cada subsetor e o nível de maturidade das tecnologias.  

Como funciona a Indústria 4.0?

Seis princípios fundamentais:

  • As fábricas são virtualizadas, a fim de simular e monitorizar, em 3D, produtos, processos e ambientes de produção.
  • Os sistemas são interoperáveis, com capacidade de comunicarem e interagirem entre eles.
  • As decisões são descentralizadas, o que significa que os sistemas ciber-físicos podem tomar decisões de forma autónoma.
  • A análise e a tomada de decisão ocorrem em tempo real, graças a uma comunicação contínua e instantânea.
  • É orientada ao serviço, com uma manutenção aprimorada e a oferta de novos serviços.
  • É modular, adaptando-se rapidamente a alterações de procura.

De que modo afeta a organização de uma empresa?

A Indústria 4.0 envolve a implementação de novos modelos de organização para ajudar as empresas a ganhar flexibilidade, ter um maior desempenho e uma maior competitividade. O impacto sobre a organização do trabalho, a gestão das competências e dos negócios e os padrões de relacionamento é significativo. Alguns exemplos:

  • Os processos de produção são simulados desde a fase de conceção do produto. Como resultado, a usabilidade e ergonomia do produto é amplamente melhorada, quer pela transferência de ações difíceis para robôs, quer pela alteração do ambiente de trabalho.
  • Os operadores estão equipados com dispositivos conectados, tais como tablets ou óculos de realidade aumentada. Estes objetos facilitam, por exemplo, a manutenção e o controlo da qualidade. O trabalho de um operador envolve, cada vez mais, um papel de monitorização e controlo e menos tarefas manuais.
  • O papel da gestão é reforçado. A tomada de decisão é descentralizada para a linha de produção e desenvolvem-se ferramentas apoio à monitorização.
  • Numa fábrica, a coexistência de pessoas e máquinas tem impacto no modo de trabalho.  Num ambiente onde robôs e sistemas estão cada vez mais presentes, o gestor desempenha um papel essencial na garantia de um forte espírito de equipa e uma boa comunicação.
  • As competências também evoluem, nomeadamente, face à transição de 2D para 3D, ao uso de objetos conectados e tomada de decisão. Estas mudanças são acompanhadas de planos de formação e criação de comunidades especializadas para partilha de boas práticas.

Qual o papel da Gfi?

A implementação e transformação de uma Indústria 4.0 é um processo complexo que envolve várias etapas e que necessita de uma gestão de projeto que mobilize toda a empresa: produção, cadeia de abastecimento, engenharia, manutenção, recursos humanos, finanças, sistemas de informação, etc. A Gfi apoia as empresas de ponta a ponta, desenhando um plano de ação e apoiando em todas as etapas da sua operacionalização, tendo em conta as especificidades e as limitações de cada empresa.

A nossa missão, no âmbito da Indústria 4.0, baseia-se na mobilização e combinação da nossa experiência em tecnologias digitais(Mobilidade / IOT / Digital Continuity / Gfi Lab), do conhecimento do negócio (design e conceção de produto / gestão de processos), da gestão e monitorização de sistemas de produção e fabrico, e da nossa experiência em acompanhar a transformação das organizações.

A Gfi conta ainda com o seu laboratório de inovação - o Gfi Lab -, cuja missão é desenvolver soluções de negócio a partir das mais recentes tecnologias e inovações do mercado. 

Gfi Lab, ao serviço da Indústria 4.0

O laboratório de inovação do Grupo Gfi tem especialização nas seguintes áreas:

  • Mobilidade: Conceção e desenvolvimento de soluções em plataformas móveis (smartphones, tablets, etc.), websites móveis e aplicações dedicadas.
  • Comunicação sem fios: Implementação de soluções que beneficiam das tecnologias de comunicação sem fios (NFC), por exemplo para pagamentos, validação do bilhete de transporte, acesso a conteúdo de fácil utilização, entre outros. 
  • Machine-to-Machine: Criação de soluções que permitam simplificar as nossas interações com o mundo digital, cada vez mais interligado.

Palavras-ChaveDigitalIndustria 4.0

Partilhar